NOVO ANO, NOVO GOVERNO, NOVOS DESAFIOS

O ano de 2023 inicia com alterações significativas na política nacional e no governo federal. Tanto a organização quanto a administração do Estado, com a vitória de Lula, já apresentam mudanças simbólicas de grande importância. Toda a superestrutura – que organiza a vida da grande maioria das pessoas, sofre alterações na estética para as relações humanas. A posse do presidente, o único eleito por três vezes e que completará, com o mandato atual, 12 anos no principal posto que há no Brasil para organizar e controlar a vida das pessoas – já apresenta traços de convivência, respeito e solidariedade, principalmente entre a grande multidão que há no país formada por pessoas que só possuem a força de trabalho para vender e, assim, sustentam materialmente a sobrevivência. 
Para além disso, o atual governo possui importantes aspectos para o fazer diferente e para constituir mudanças no Estado e na sociedade brasileira em geral. Derrotar o pior governo eleito – que já foi registrado no Brasil, foi uma ação de suma importância, principalmente para a grande maioria das pessoas (que só possuem a força de trabalho para vender e sobreviver). E com indicações evidentes e transparentes, a necropolítica – que muito avançou nos últimos quatro anos, sofrerá impactos para diminuir o peso que possui na realidade do país. Ou seja, indicações de mudanças para que a vida possa melhorar já são apresentadas.
Alguns aspectos já divulgados pelo novo governo apontam significativas alterações materiais. O aumento do salário-mínimo, a indicação em mais investimentos nos serviços públicos, a paralisação das privatizações das empresas do Estado são significativas alterações em favor de possibilidades para as pessoas viverem mais e melhor. Para nós há o desafio de apoiar os aspectos em favor da vida e atuar para que eles possam ser mantidos e ampliados.
Já no primeiro dia do novo mandato foi publicada uma medida para, segundo o governo, “assegurar uma análise rigorosa dos impactos da privatização sobre o serviço público ou sobre o mercado no qual está inserida a referida atividade econômica”. A proteção das empresas para continuarem no modelo do Estado, apresentam importância de grande vulto – econômico, político e estrutural – para as pessoas. O foco em defesa de empresas do Estado, que são consideradas públicas, possui marcas de grande relevância. O objetivo é interromper a privatização, o que possui grande importância para defender e qualificar empregos e salários.
Neste momento as empresas com foco de defesa para a não desestatização são: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT; Empresa Brasil de Comunicação – EBC; Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência – Dataprev; Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A. – Nuclep; Serviço Federal de Processamento de Dados – Serpro; armazéns e os imóveis de domínio da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab constantes do Anexo ao Decreto nº 10.767, de 12 de agosto de 2021; Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras; Empresa Brasileira de Administração de Petróleo e Gás Natural S.A. – Pré-Sal Petróleo S.A. – PPSA. Todas de grande relevância para que as pessoas se comuniquem mais, estudem mais, tenham mais guarida no Estado nacional do que hoje possuem.
Nas várias ações estruturais para que direitos que foram conquistados existam nas várias formas de sobrevivência das pessoas, o Estado possui grande importância e o Governo Federal assume localização estratégica que possibilita tanto defender o Estado quando privatizar o Estado.
Assim há, portanto, ações fundamentais que abrem uma estrada de grande importância para os movimentos organizados. Para além disso, tanto no movimento sindical quanto no serviço público, para que tais medidas possam ser objetivamente conquistas, mantidas e avançadas cada vez mais, a organização, o conhecimento, a formação e ação coletiva se faz de grande importância. Nós precisamos, sim, conquistar os reajustes salariais negados e superar a destruição dos espaços públicos que foi imposta nos últimos quatro anos. Ter o governo central como polo no compromisso de ações em defesa da vida, é de grande importância. Mas sabemos e não podemos esquecer que será – com a atuação de todos os setores organizados e das pessoas que conquistaram o espaço de vender a força de trabalho para o Estado e fazer com que os serviços públicos existam,o impulso fundamental que abre as portas para as transformações em favor da vida.
Portanto, novos desafios estão colocados para as pessoas organizadas no movimento sindical e que fazem o serviço público existir. Ou seja, saber apoiar tudo que desmancha as destruições do governo da necropolítica, sem esquecer que as conquistas serão asseguradas e mantidas com organização, formação e luta coletivas. Unificar compreensões e fortalecer a potência da classe trabalhadora, desafios que sempre estarão em nosso trajeto, tomam hoje novos desenhos que precisamos conhecer, entender e potencializar em forma de conquistas.